Conecte-se conosco

Acidente

Mulher cai da “Brucomela” e morre em São Paulo

Avatar

Publicado

em

Aldo Joaquim de Souza, viúvo de Ilma Pereira de Souza – morta após cair de um brinquedo no Parque Cidade da Criança, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista -, prestou depoimento à polícia nesta semana e disse que a mulher nunca teve problema de saúde e nem fazia qualquer tipo de tratamento com remédios.

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Santo André apontou que a causa da morte dela foi traumatismo craniano. Ilma acompanhava a filha no brinquedo conhecido como “Brucomela” no dia 24 de julho quando caiu e bateu a cabeça em um ferro, segundo a administração do parque.

No depoimento à policia, Aldo disse que soube do acidente depois que uma funcionária do parque mandou mensagem para seu celular, pedindo para que ele fosse ao local o mais rápido possível.

Ele disse que ficou casado com Ilma por 18 anos e 6 meses. O casal teve dois filhos, um adolescente de 17 anos e a caçula, de 6 anos, que estava com a mãe no momento do acidente.

Aldo falou que a mulher havia tirado três dias de folga no trabalho para ficar mais tempo com os filhos. Ele a deixou com a filha na porta do parque por volta das 8h30 de 24 de julho.

Testemunhas afirmaram que a mulher passou mal enquanto ainda estava no brinquedo, mas o exame necroscópico apontou a queda como a causa da morte.

O Corpo de Bombeiros chegou a ser acionado para socorrer a vítima. Ela foi levada inconsciente pelo Samu ao Hospital Mário Covas, em Santo André, mas não resistiu aos ferimentos.

A polícia civil instaurou inquérito para apurar as circunstâncias da morte. O delegado do 1º Distrito Policial de São Bernardo, Alberto José Mesquita Alves, cita a necessidade de apuração de eventual homicídio culposo.

Os familiares questionam a segurança do brinquedo, como a ausência de cinto de segurança, além da barra de travamento. Além disso, conforme alguns usuários do Parque e o marido de Ilma, Aldo Joaquim de Souza, a prestação de socorro pela ambulância do Samu demorou aproximadamente 30 minutos.

“O Parque deveria dispor de ambulância com equipe própria de socorristas, já que atende diariamente, principalmente nos meses de férias escolares, um grande número de clientes, principalmente crianças e adolescentes. Ilma estava aproveitando as férias e levou sua filha de 6 anos para passear no parque. A criança estava ao lado da mãe quando ocorreu o acidente e ficou traumatizada. Todas as circunstâncias da ocorrência precisam ser devidamente esclarecidas”, diz Ariel de Castro Alves, advogado da família.

Em nota na época do fato, o Parque Cidade da Criança disse estar solidário aos familiares e acrescentou que aguardava laudos periciais e médicos para que o incidente fosse completamente esclarecido.

“Em seus mais de 50 anos de história, este é o primeiro incidente registrado no Cidade da Criança. O parque preza e sempre prezou pela segurança de seus visitantes, com um rígido calendário de manutenção e avaliação das condições de funcionamento dos brinquedos. O Cidade da Criança reitera este compromisso e está à disposição das autoridades”, diz a nota.

A Polícia Civil fez a perícia no brinquedo e o liberou. A Prefeitura de São Bernardo informou que o parque tinha Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) para funcionar, bem como laudos dos brinquedos, fiscalização e normas de funcionamento.

História

A Cidade da Criança foi um marco turístico em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, durante as décadas de 1970 e 1980, sendo considerada um cartão de visitas da cidade. O parque atraiu turistas de vários pontos do país, principalmente do Rio de Janeiro. Os anos passaram e o local chegou a ficar abandonado de 2005 até 2010, quando foi reaberto.

O tempo não colaborou com o espaço, que deixou de ser o cartão de visitas da cidade, já não atrai tantos turistas como no passado, mas ainda proporciona lembranças para quem viveu o auge do parque.

O parque funciona em um terreno arborizado de 37.742 m² na região central da cidade e foi tombado pelo Conselho Municipal de Patrimônio Histórico e Cultural (Compach), em 1990.