Artigos

Outubro Rosa Chegou !!!!!

Nessa primeira semana de outubro não poderia deixar de falar desse assunto que se faz tão importante entre nós, mulheres! Vocês sabiam que o câncer de mama é o segundo mais comum entre mulheres? Pois é, a cada diagnóstico sempre vem acompanhado de sentimentos desencontrados e nesse momento tanto a pessoa quanto a família não sabem como agir, pois, trata-se de uma doença crônica que afeta o físico e o psicológico e muitas vezes precisam lidar com a questão do diagnóstico tardio.

Ao se passar o susto inicial, é comum que a paciente fique confusa com vários questionamentos: “Vou sobreviver? Vou sofrer com o tratamento? Conseguirei retomar minha vida normal? E meu cabelo irá cair?”. Nesse momento, o que responder? E os familiares? Eles também não escapam dessa angústia, é uma sensação de, “e agora, o que posso fazer para ajudar? Será que é grave?”, e por momentos, a insegurança e o medo de perder seu familiar paira pelo ar, e fica complicado mantes o equilíbrio!

“Lidar com um quadro assim nunca é fácil”. Felizmente, para grande parte dos casos que são diagnosticados com câncer de mama, não é o fim! Existem os tratamentos, que possibilitam que essas mulheres lutem contra essa doença e saiam vitoriosas, porém, nem sempre isso significa que será um processo sem traumas.

E nesse processo como a psicoterapia pode contribuir? Quais os benefícios na hora de afrontar um caso de câncer de mama? E como amigos e familiares podem ajudar o paciente em questão?

O processo de psicoterapia se faz importante para que a pessoa com câncer possa compreender a importância do tratamento e de expressar seus sentimentos a todo momento, pois sabe-se que o tratamento é invasivo e ainda pode trazer diversos efeitos colaterais, acarretando em alterações na rotina do paciente. Nesse sentido, a psicoterapia irá contribuir para que o paciente esteja fortalecido emocionalmente, lidando com os possíveis prejuízos e as dificuldades que poderão encontrar com segurança e suporte.  É possibilitado um espaço para que a pessoa possa aprender a lidar com as suas próprias expectativas e necessidades, reduzindo o peso da interferência familiar sem culpo e/ou meias verdades.

E os familiares, como podem contribuir nesse processo? Bem, primeira coisa a se fazer, é estar sempre próximo a pessoa com câncer, em especial nos momentos de desabafo, acolhimento (com palavras de apoio e conforto). Além disso, estimule a pessoa! Sim, estimule a fala, compartilhando emoções, medos e dificuldades; estimule o comprometimento com o tratamento; e estimule o acompanhamento psicológico. Também valorize a dor que está sendo expressada e dê apoio, mas sempre com frases e falas de incentivo.

O câncer de mama é mais fácil de se tratar e tem maior probabilidade de cura se detectado precocemente. Dessa forma quero ressaltar a importância de as mulheres conhecerem seu corpo, fazer o autoexame e fazer a mamografia de rastreamento de forma periódica.

Todos os anos uno-me ao movimento em prol da conscientização sobre a importância de estar alerta aos possíveis sinais de um câncer de mama, pois um dia eu estava no papel de um familiar perdido e vendo essa pessoa superar diariamente essa doença, e hoje digo, que a minha avó (parente citado) foi e é uma dessas muitas mulheres que venceu o câncer de mama! Portanto, convido vocês queridos leitores a unirem-se a essa causa também!!!

OUTUBRO ROSA – #EUAPOIO

 Monize Salvatti Scudero  é Psicóloga Especialista em Psicopedagogia– CRP: 06/124916

 

Etiquetas

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo