Acesse nosso Facebook

Bem Estar

Frio faz aumentar incidência de infarto e doenças cardíacas

Avatar

Publicado

no dia

O inverno está relacionado ao aumento da incidência de doenças cardíacas. Em comparação com o verão, por exemplo, os casos de infartos têm aumento de até 30% durante a estação mais fria. A informação é da Sociedade Brasileira de Cardiologia.

Dr. Thiago Vieira Rodrigues, médico cardiologista do Centro Médico São José, de Cerquilho, explica porque isso acontece. “No frio os receptores de temperatura da pele estimulam a liberação de catecolaminas (substâncias que, dentre outros efeitos, contraem os vasos sanguíneos). Isto acontece para que o fluxo sanguíneo seja priorizado nas regiões vitais, mantendo os órgãos aquecidos e funcionando corretamente. No entanto, outro efeito desta reação é o aumento da pressão arterial”, explica.

Esta hipertensão, provocada pelo frio, pode representar riscos em pessoas com risco de doenças cardíacas. “Pode ocorrer a ruptura de placas de gordura no interior das artérias, levando a um infarto ou AVC. Além disso, há o aumento da força de trabalho do coração para poder levar o sangue pelas veias e artérias mais estreitas, o que é perigoso para portadores de insuficiência cardíaca (coração dilatado e fraco), que, inclusive, costumam apresentar piora de sintomas como a falta de ar, durante este período”, alerta o médico.

“Também contribuem para o aumento dos casos, a elevação das infecções respiratórias no inverno e a maior produção de substâncias que favorecem a formação de coágulos pelo fígado”, afirma Dr. Thiago.

Os problemas cardíacos relacionados ao frio atingem principalmente pessoas que fazem parte de grupos de risco. “Quem possui doenças cardíacas, diabetes, ou hipertensão já correm um risco aumentado e, por isso, precisam se proteger mais do frio e evitar os grandes contrastes de temperatura, tal como pessoas com colesterol elevado, fumantes e obesos. Todos estes grupos precisam prevenir a variação súbita de temperatura, pois o choque térmico pode provocar, além do infarto, angina (dor no peito), arritmia e até mesmo acidente vascular cerebral (AVC), em casos extremos”, detalha o cardiologista.

A prevenção aos problemas cardíacos se dá pela adoção de alguns hábitos, que devem ser seguidos principalmente por quem se enquadra nos grupos de risco. “É importante controlar o peso, não fumar, praticar atividade física sempre utilizando agasalho adequado à temperatura ambiente, não passar frio e consultar um médico regularmente e, caso faça parte de um dos grupos de risco, ir ao cardiologista ao menos uma vez ao ano”, conclui Dr. Thiago Vieira Rodrigues.

Publicidade