Acesse nosso Facebook


Região

Espuma no Rio Tietê foi causada por produtos para fabricação de sabão em pó

SeuJornal

Publicado

no dia

A espuma tóxica que cobriu o Córrego do Ajudante, em Salto (SP), nesta terça-feira (5), foi provocada por resíduos utilizados na fabricação de sabão em pó.

Segundo a prefeitura, o material estava no pátio da empresa de produtos químicos Amparo, que fica no bairro Olaria.

A cena impressionou os moradores da cidade. Segundo o empresário Lesley Soldan, a poluição prejudica a vida no rio. “Muito triste ver o rio morrendo desse jeito”, diz.

Com a chuva dos últimos dias, o produto foi para o sistema de drenagem e caiu no córrego. A espuma se espalhou por toda a extensão do riacho que corta a cidade e deságua no Rio Tietê.

A Química Amparo informou que está colaborando com a análise do caso. A Cetesb está analisando qual o valor da multa que será aplicada.

O afluente amanheceu nesta terça-feira (5) com uma grande quantidade de espuma tóxica que impressionou os moradores da cidade.

Começou durante a noite


De acordo com moradores das redondezas, a espuma começou a se formar durante a noite e, com a chegada do sol, foi se dissipando aos poucos.

Algumas pontes ao longo do córrego também foram tomadas e assustaram as pessoas que passaram pelo local. Segundo elas, o cheiro da espuma era muito forte. A vegetação e a água ficaram encobertas. A prefeitura esteve no local e jogou água para amenizar o problema.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, Ângelo César Piva, a espuma não é normal. “Nós acompanhamos todo o trecho do córrego, mas não encontramos nenhum vestígio que comprove o problema e acionamos a Cetesb. Essa espuma não é normal, é crime ambiental e provavelmente foi causada por alguma empresa, que deve ser punida”, comentou durante a manhã.

A prefeitura informou na tarde desta terça-feira que constatou que resíduos utilizados para fabricação de sabão em pó foram depositados no pátio de uma empresa de produtos químicos, localizada no bairro Olaria, em Salto.

Com a chuva, o produto atingiu o sistema de drenagem e posteriormente o córrego. A está avaliando as medidas administrativas que serão aplicadas em razão da infração ambiental.

Os moradores reclamam que o problema existe há muito tempo e se repete todo ano. Eles dizem que já pediram melhorias várias vezes e nada foi feito até agora.

Este é o mesmo córrego onde foi registrada uma tragédia ambiental em 2014: a mortandade de milhares de peixes. 40 toneladas de peixes mortos foram retiradas do córrego.

Em dois dias da semana passada, toneladas de lixo foram retiradas da água também na cidade de Salto.

Publicidade

Mais lidas